cura

Arte e Design se unem em prol de um propósito comum, investigar histórias sobre cicatrizes, e a capacidade que esses instantes tem de mudar radicalmente nossas vidas. Busco compreender o que motiva essas pessoas a saírem do fundo do poço e retomarem suas vidas. Exploro através de uma exposição multisensorial a linha do tempo do trauma até a ressignificação dele. 

trauma
impacto, imprevisto, baque, choque

O trauma é onde tudo começa. Essa fase conta com o imprevisto, o inesperado. Sua vida está normal, e de repente um baque. Esse impacto é tão grande
que você despedaça, quebra em pequenos pedaços. É tudo muito rápido. 

e agora?
medo, desespero, agonia, impotência

Logo em seguida, vem a segunda etapa, e agora? Como lidar com a situação? Uma fase de muito medo, desespero. Fase de questionamentos. Repensa e pergunta porque isso está acontecendo com você. Você fica miúdo, se sente impotente. A morte passa perto e isso apavora. Parece estar sozinho, apesar de muitas pessoas ao seu redor. OU. Aquilo bate de maneira tão forte que é difícil aceitar, então nega. Não acredita em nada que o médico diz. Leva numa boa, com humor. Diz que é só pra animar a vida um pouquinho. Coloca aquele medo embaixo do tapete e segue sua vida. Não se permite sentir. Não se permite estar frágil. Não se permite ser cuidado. 

cicatriz
autopiedade, negação, questionamentos

Você passa por uma cirurgia: anestesia, bisturi, soro, gaze. E quando acaba, você ganha uma marca no seu corpo, uma cicatriz. Você olha pra ela, mas não a reconhece como uma parte sua. Sensação estranha de não pertencimento. Tem vezes que, sem perceber, você se coloca no lugar de vítima. Inconsciente agindo. Dessa forma, mantém as pessoas que ama por perto. Ainda sem entender o porque daquilo tudo. A marca no corpo é apenas uma parte dessa história. E a cicatriz emocional? Essa é bem mais forte e profunda. Essa faz com que você repense a vida e, de certa forma, adquira a capacidade de relativizar os problemas.

ignição
movimento, ação, renovação

O instinto de sobrevivência fala mais alto e você precisa sair dessa. Como retomar a vida depois de um trauma? As coisas não vão ser mais como eram antes. A cabeça está muito diferente. E então você encontra uma motivação: um esporte, o desenho, a dança, a música, a arte, a culinária, o que for, e você agarra. Segura com força e vai. Vence a inércia e se movimenta. Se movimenta em direção ao MAIS. Mais vida, mais energia, mais saúde, mais compaixão. As engrenagens voltam a girar e agora você é capaz de seguir. Independente, trilhando um caminho em uma nova direção.

1/9
ressignificação
compreensão, maturidade, superação, força

Geralmente, essa etapa ocorre alguns anos depois. Esse tempo se da para que você consiga digerir o trauma, aceitar e agradecer. Fase de maturidade que te permite compreender a razão pela qual você tinha que passar por aquilo. Capacidade de reconhecer cada etapa e valorizar o processo. No meu caso, só tenho a agradecer pela oportunidade de aprendizagem. Não estaria sentada escrevendo sobre isso agora se não tivesse passado pelo trauma. Ele foi muito importante. Mudou a minha vida. E espero que através desse projeto eu consiga mudar a relação das pessoas com seus traumas.

livro
vídeo: entrevista
livro18_edited